Âmbito da Actividade Clínica

 

A psiquiatria genericamente pode definir-se como uma especialidade médica que lida com a prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimento mental, sejam elas de carácter orgânico ou funcional, com manifestações psicológicas mais ou menos graves. São exemplos: a depressão, a perturbação bipolar, a esquizofrenia, a demência, as perturbações sexuais, a bulimia e a anorexia mental ou as perturbações da ansiedade (ex. pânico, fobias, obsessões-compulsões). O objectivo principal é o alívio do sofrimento e a elevação dos padrões de bem-estar psíquico. Para isso, é necessária uma avaliação completa do doente, na perspectiva biológica, psicológica e social. A avaliação psiquiátrica envolve o exame do estado mental e a história clínica. Testes psicológicos, neurológicos, neuropsicológicos e exames de imagem (ex. Electroencefalograma - EEG, Tomografia Axial Computadorizada - TAC ou a Ressonância Magnética Nuclear - RMN) podem ser utilizados como auxiliares na avaliação, assim como exames físicos e laboratoriais. Uma doença ou problema psíquico pode ser tratado através de terapêuticas diversas, mais frequentemente medicamentos e/ou psicoterapia. Também é utilizada muito menos frequentemente a electroconvulsivoterapia (ECT) e outras técnicas derivadas. 

 

 

 

A psicologia humana estuda os padrões comportamentais, os processos mentais e as experiências emocionais em geral. A psicologia clínica é a componente da psicologia que se dedica ao estudo do comportamento, dos processos mentais e das repostas emocionais nas perturbações mentais, bem como dos aspectos psíquicos das doenças não mentais. As áreas nobres da psicologia clínica incluem o aconselhamento, a psicoterapia, a avaliação psicológica e neuropsicológica.

 

A psicoterapia refere-se a um processo dialéctico que ocorre entre um psicoterapeuta (psicólogo/médico) e o cliente/doente. Por ser definitivamente da área da saúde/doença mental, a psicoterapia é uma ferramenta terapêutica eficaz para a maior parte das perturbações mentais mais ou menos graves. Para isso faz uso de métodos, técnicas e intervenções psicológicas cujo objectivo central é desenvolver padrões de funcionamento mais adequados e determinando maiores níveis de bem-estar e felicidade nos doentes/clientes (inclui modificação de padrões prévios nos processos psicobiológicos, cognitivos, emocionais e sociais dos indivíduos).

Existem vários tipos de psicoterapia, com diferentes formas e métodos e técnicas, partilham contudo um vasto conjunto de características em comum. 

Aqui terá oportunidade de contactar com as PSICOTERAPIAS COGNITIVO-COMPORTAMENTAIS particularmente as chamadas PSICOTERAPIAS COGNITIVO-COMPORTAMENTAIS DE 3ª GERAÇÃO entre outras: 

• Mindfulness

• ACT – Terapia da Aceitação e Compromisso

• Terapia Focada na Compaixão.

 

A sexologia pode definir-se genericamente como a área do conhecimento que estuda o comportamento sexual. Trata-se de uma área de trabalho interdisciplinar que abrange várias outras disciplinas: 

• Algumas áreas da medicina (ex. andrologia, ginecologia e a anatomia e fisiologia dos órgãos sexuais).

• A psicologia, a sociologia e a antropologia do comportamento sexual. 

• As neurociências (o estudo da base da resposta sexual e a complexidade do comportamento sexual). 

• Psiquiatria (parafilias, assim como perturbações psíquicas e seus tratamentos que levam a disfunções sexuais). 

• A epidemiologia das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). 

• A sexologia também abrange questões mais amplas, como o conceito de saúde sexual, aborto, saúde pública, controle de natalidade ou abuso sexual. 

 A sexologia clínica implica muito frequentemente aconselhamento e terapia sexual executada por terapeutas sexuais. Os terapeutas sexuais são clínicos (médicos e psicólogos clínicos em geral) que tratam mais frequentemente as disfunções sexuais: perturbações do desejo; da excitação (perturbação da excitação na mulher, disfunção eréctil no homem); do orgasmo, dificuldade ou impossibilidade na obtenção do orgasmo na mulher e ejaculação precoce e ejaculação retardada no homem); ou perturbação de dor na penetração por exemplo. Outro trabalho dos terapeutas sexuais consiste em validar o diagnóstico e envolver-se na preparação para mudança de género e nome (transsexualidade). Outra área de intervenção centra-se nas parafilias, perturbações de dependência sexual, hipersexualidade ou adição sexual. Os terapeutas sexuais em Portugal são creditados exclusivamente pela Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica (SPSC).